quarta-feira, 6 de junho de 2018

O ALERTA DO ESPÍRITO ERASTO AOS ESPÍRITAS, SOBRE OS ADVERSÁRIOS ENCARNADOS E DESENCARNADOS DO ESPIRITISMO

Resultado de imagem para erasto
ERASTO
Fonte da imagem: https://ceacs.wordpress.com/personalidades/estrangeiras/erasto-2/

Fábio José Lourenço Bezerra

A mensagem abaixo, publicada na Revista Espírita de 1861, foi dada pelo Espírito Erasto, que participou da codificação do Espiritismo, principalmente na obra "O Livro dos Médiuns" e na "Revista Espírita". Nela, ele dá um alerta ao espíritas de Bordeaux sobre a ameaça  a unidade dos adeptos da Doutrina Espírita , representada por encarnados e desencarnados mistificadores. Pouco tempo depois,  surgia  a mistificação na forma de livro "Os Quatro Evangelhos", do advogado de Bordéus Jean-Baptiste Roustaing (ver o texto "Os Quatro Evangelhos, de Roustaing: Uma Mistificação Desacreditada Por Allan Kardec", neste blog). Após a desencarnação de Kardec, houve a publicação de vários artigos na Revista Espírita que nada tinham de espíritas, sobre misticismo e esoterismo, tendo como responsável Pierre Gaetan Leymarie (encarregado de administrar o legado de Kardec, mas que era adepto da obra de Roustaing). Também após a desencarnação de Kardec, ocorreu a adulteração da sua última obra "A Gênese - os milagres e as predições segundo o Espiritismo".

Antes da mensagem de Erasto, postamos um vídeo onde o pesquisador Espírita Paulo Henrique de Figueiredo comenta esses fatos.



A mensagem de Erasto:

"Que a paz do Senhor esteja convosco, meus bons amigos, a fim de que nada venha perturbar a boa harmonia que deve reinar num centro de espíritas sinceros! Sei quão profunda é a vossa fé em Deus e quanto sois fervorosos adeptos da nova revelação. Eis por que vos digo, com toda a efusão de minha ternura, que todos nós ficaríamos desolados – nós que somos, sob a direção do Espírito de Verdade, os iniciadores do Espiritismo na França – se a concórdia, de que até hoje destes provas brilhantes, viesse a desaparecer do vosso meio; se não tivésseis dado o exemplo de uma sólida fraternidade; se, enfim, não fôsseis um centro sério e importante da grande comunhão espírita francesa, eu teria deixado esta questão na sombra. Mas se a levantei é que tenho razões plausíveis para vos convidar a manter a união, a paz e a unidade de doutrina entre os vossos diversos grupos.

Sim, meus caros discípulos, aproveito diligentemente esta ocasião, que nós mesmos preparamos, para vos mostrar quanto seria funesta ao desenvolvimento do Espiritismo e que escândalo causaria entre vossos irmãos de outras terras a notícia de uma cisão no centro que nos encantou mencionar até agora, por seu Espírito de fraternidade, a todos os outros grupos, formados ou em formação.

Não ignoro, como não deveis ignorar, que recorrerão a todos os meios para semear a divisão entre vós; que vos armarão ciladas; que semearão emboscadas de toda sorte em vosso caminho; que vos oporão uns aos outros, a fim de fomentar a divisão e levar a uma ruptura, sob todos os aspectos lamentável. Mas podereis evitar tudo isto, praticando os sublimes preceitos da lei de amor e de caridade, em primeiro lugar diante de vós próprios e, a seguir, diante de todos.

Não; estou convencido de que não dareis aos inimigos de nossa santa causa a satisfação de dizer: “Vede esses espíritas de Bordeaux, que nos mostravam como marchando na vanguarda dos novos crentes. Nem sequer sabem estar de acordo entre si!” Eis, meus caros amigos, onde vos esperam e onde nos esperam a todos. Vossos excelentes guias já vos disseram:Tereis de lutar não só contra os orgulhosos, os egoístas, os materialistas e todos esses infelizes que se acham imbuídos do espírito do século, mas, ainda e principalmente, contra a turba dos Espíritos enganadores que, encontrando em vosso meio uma rara reunião de médiuns, pois a tal respeito sois os mais favorecidos, logo virão assaltar-vos: uns, com dissertações sabiamente combinadas, nas quais, graças a algumas tiradas piedosas, insinuarão a heresia ou algum princípio subversivo; outros, com comunicações abertamente hostis aos ensinos dados pelos verdadeiros missionários do Espírito de Verdade.

Ah! crede-me, não temais desmascarar os velhacos que, novos Tartufos, se introduziriam entre vós sob a máscara da religião; sede igualmente impiedosos para com os lobos devoradores, que se ocultariam sob peles de cordeiro. Com a ajuda de Deus, que jamais invocais em vão, e com a assistência dos Espíritos bons que vos protegem, ficareis inquebrantáveis em vossa fé; os Espíritos maus vos acharão invulneráveis e, quando virem suas flechas tornar-se menos afiadas contra o amor e a caridade que vos animam o coração, retirar-se-ão confusos de uma campanha onde não terão colhido senão a impotência e a vergonha. Encarando como subversiva toda doutrina contrária à moral do Evangelho e às prescrições gerais do Decálogo, que se resumem nesta concisa lei:Amai a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a vós mesmos, ficareis invariavelmente unidos.

Aliás, em tudo é preciso saber submeter-se à lei comum: a ninguém cabe subtrair-se ou querer impor sua opinião e seu sentimento, quando estes não forem aceitos pelos outros membros de uma mesma família espírita; e nisto eu vos convido encarecidamente a vos modelardes pelos usos e regulamentos da Sociedade de Estudos Espíritas de Paris, onde ninguém, seja qual for a sua posição, idade, serviços prestados ou autoridade adquirida, pode substituir, por sua iniciativa pessoal, a da Sociedade de que faz parte e, a fortiori, engajá-la no que quer que seja, por expedientes que ela não aprovou. Dito isto, é incontestável que os adeptos de um mesmo grupo devem ter uma justa deferência para com a sabedoria e a experiência adquiridas. A experiência não é atributo do mais velho, nem do mais sábio, mas do que se ocupou com mais tempo e com mais proveito para todos, de nossa consoladora filosofia. Quanto à sabedoria, cabe a vós examinar aqueles que, entre vós, seguem e praticam melhor os preceitos e as leis.

Entretanto, meus amigos, antes de seguir vossas próprias inspirações, não esqueçais de que tendes os vossos conselhos e vossos consultores etéreos a consultar, e estes jamais vos faltarão, quando solicitardes com fervor e com um objetivo de interesse geral. Para isso, necessitais de bons médiuns e aqui os vejo excelentes, no meio dos quais não tendes senão que escolher. Por certo sei perfeitamente que a Sra. e a Srta. Cazemajoux e alguns outros possuem qualidades mediúnicas no mais alto grau e nenhuma região, eu vo-lo repito aqui, é mais bem favorecida a esse respeito do que Bordeaux.

Eu tive de vos fazer ouvir uma voz um tanto mais severa, meus bem-amados, quanto o Espírito de Verdade, mestre de todos nós, mais espera de vós. Lembrai-vos de que fazeis parte da vanguarda espírita e que, assim como o estado-maior, a vanguarda deve a todos o exemplo de uma submissão absoluta à disciplina estabelecida. Ah! vossa tarefa não é fácil, pois é a vós que incumbe o trabalho de levar, com mão vigorosa, o machado às sombrias florestas do materialismo e perseguir até as suas últimas trincheiras os interesses materiais coligados. Novos Jasões, marchai à conquista do verdadeiro tosão de ouro, isto é, dessas idéias novas e fecundas que devem regenerar o mundo; mas, então, já não marchais no vosso próprio interesse, nem mesmo no interesse da geração atual, mas sobretudo no interesse das gerações futuras, para as quais preparais os caminhos. Há nesta obra um sinal de abnegação e de grandeza que ferirá de admiração e de reconhecimento os séculos futuros, de que Deus, crede-me, saberá vos levar em conta.

Tive de falar como falei porque me dirijo a criaturas que escutam a razão; a homens que perseguem seriamente um fim eminentemente útil: a melhoria e a emancipação da raça humana; enfim, a espíritas que ensinam e pregam pelo exemplo, que o melhor meio para lá chegar está na prática das verdadeiras virtudes cristãs. Tive de vos falar assim porque era preciso vos prevenir contra um perigo, que era meu dever assinalar; venho cumpri-lo. Assim, agora, posso encarar o futuro sem inquietação, porque estou convencido de que minhas palavras aproveitarão a todos e a cada um; e que o egoísmo, o amor-próprio e a vaidade não terão, doravante, nenhum poder sobre corações onde, sem qualquer limite, reine a verdadeira fraternidade.

Vós vos lembrareis, espíritas de Bordeaux, que a vossa união é o verdadeiro encaminhamento para a união e a fraternidade universal. A esse respeito sinto-me feliz, muito feliz, de poder constatar claramente que o Espiritismo vos fez dar um passo à frente. Recebei, pois, nossos cumprimentos, pois aqui falo em nome de todos os Espíritos que presidem à grande obra da regeneração humana, por terdes, por vossa iniciativa, aberto um novo campo de exploração e uma nova causa de certeza aos estudos dos fenômenos de além-túmulo, por vosso pedido de filiação, não mais como indivíduos isolados, mas como grupo compacto, à Sociedade iniciadora de Paris. Pela importância dessa iniciativa, reconheço a alta sabedoria de vossos guias principais e agradeço ao meigo Fénelon e seus fiéis auxiliares Georges e Marius, que com ele presidem às vossas piedosas reuniões de estudo. Aproveito esta circunstância para igualmente dar um testemunho brilhante aos Espíritos Ferdinand e Félicia, que todos conheceis. Embora esses dignos colaboradores tenham apenas feito o bem pelo bem, é bom que saibais que é a esses modestos pioneiros, secundados pelo humilde Marcelin, que nossa santa doutrina deve ter prosperado tão rapidamente em Bordeaux e no sudoeste da França.

Sim, meus crentes fiéis, vossa admirável iniciativa será seguida, bem o sei, por todos os grupos espíritas formados com seriedade. É, pois, um passo imenso à frente. Compreendestes, e todos os vossos irmãos compreenderão como vós, que vantagens, que progressos, que propaganda resultarão da adoção de um programa uniforme para os trabalhos e estudos da doutrina que vos revelamos. Fique bem entendido, apesar disso, que cada grupo conservará sua originalidade e sua iniciativa particular; mas, fora de seus trabalhos particulares, terá de se ocupar com diversas questões de interesse geral, submetidas a seu exame pela Sociedade central, e resolver várias dificuldades cuja solução, até hoje, não pôde ser obtida dos Espíritos, por razões que seria inútil desenvolver aqui.

Recearia vos ofender se ressaltasse aos vossos olhos as conseqüências que advirão dos trabalhos simultâneos; quem ousará, então, contestar uma verdade, quando esta for confirmada pela unanimidade ou pela maioria das respostas mediúnicas, obtidas simultaneamente em Lyon, Bordeaux, Constantinopla, Metz, Bruxelas, Sens, México, Carlsruhe, Marselha, Toulouse, Mâcon, Sétif, Argel, Oran, Cracóvia, Moscou, São Petersburgo, como em Paris?

Eu vos entretive com a rude franqueza de que me sirvo para falar aos vossos irmãos de Paris. No entanto, não vos deixarei sem testemunhar minhas simpatias, justamente conquistadas, a esta família patriarcal, onde excelentes Espíritos, incumbidos de vossa direção espiritual, começaram a fazer ouvir suas eloquentes palavras. Mencionei a família Sabò, que, com uma constância e uma piedade inalterável, soube atravessar as dolorosas provas com que Deus a afligiu, com o fito de a elevar e torná-la apta para a sua missão atual. Também não devo esquecer o concurso devotado de todos quantos, em suas respectivas esferas, contribuíram para a propagação de nossa consoladora doutrina. Continuai todos, meus amigos, a marchar resolutamente no caminho aberto; ele vos conduzirá seguramente às esferas etéreas da perfeita felicidade, onde vos marcarei encontro. Em nome do Espírito de Verdade, que vos ama, eu vos abençoo, espíritas de Bordeaux!"

ERASTO

ENDEREÇO ELETRÔNICO ORIGINAL DO VÍDEO:

https://www.youtube.com/watch?v=Q-3a77l7Ots



sexta-feira, 1 de junho de 2018

VÍDEO DO LANÇAMENTO DA TRADUÇÃO, EM PORTUGUÊS, DO ORIGINAL DE "A GÊNESE" - DE ALLAN KARDEC


Resultado de imagem para a gênese feal

Assista o vídeo do evento de lançamento da tradução, em português, da edição original, sem deturpações, de "A Gênese - os milagres e as predições segundo o Espiritismo", de Allan Kardec. O evento também tratou do projeto do Instituto Canuto Abreu, de documentação e obras raras,  que vai disponibilizar documentos e textos inéditos de Allan Kardec. 






Para adquirir a edição original de A Gênese, acesse:
https://mundomaior.com.br/a-genese-segundo-o-espiritismo-allan-kardec-html.html


ENDEREÇO ELETRÔNICO ORIGINAL DO VÍDEO:

https://www.youtube.com/watch?v=rrztWoqjA_4&feature=share




quinta-feira, 17 de maio de 2018

LANÇAMENTO DO ORIGINAL (SEM AS DETURPAÇÕES POSTERIORES) DA OBRA "A GÊNESE", DE ALLAN KARDEC - PROGRAMA LIVRE PENSAMENTO

Resultado de imagem para a gênese original francês
Fonte da imagem: https://www.youtube.com/watch?v=WuaRxXAfxfY

"Lançamento do livro original de A Gênese. Paulo Henrique de Figueiredo e Claudio Palermo abordam a importância deste lançamento da obra original de A Gênese. Como será o Centro de Documentação e Obras Raras da Fundação Espírita André Luiz? A história do Espiritismo precisa ser recuperada e divulgada? Saiba como será o evento de lançamento, que ocorrerá dia 26 de maio e quem vai participar desta importante data para o espiritismo!"

Assista abaixo o vídeo desta edição do programa Livre Pensamento. O endereço eletrônico original do youtube é:

https://www.youtube.com/watch?v=E4EdisrXpfg



Fonte: http://tvmundomaior.com.br/videos/lancamento-do-livro-original-de-a-genese-livre-pensamento/


quarta-feira, 16 de maio de 2018

O FIM DO MATERIALISMO - POR GRAHAM DUNSTAN MARTIN

Resultado de imagem para o fim do materialismo
Fonte da imagem: https://www.cienciarepensada.com.br/single-post/2018/03/06/O-materialismo-sozinho-n%C3%A3o-pode-explicar-o-mist%C3%A9rio-da-consci%C3%AAncia

Graham Dunstan Martin, Edimburgo 1

Este artigo resume os argumentos do livro de Graham Martin, "Does it Matter? O mundo insustentável dos materialistas", vencedor do prêmio Network Book Prize de 2005. Aqui, Graham leva o leitor para um passeio que mostra as dificuldades que uma concepção materialista da consciência enfrenta, demolindo uma série de falácias comuns em seu caminho.

Originalmente publicado em Network, vol. 90 (Abril de 2006) Reimpresso em www.newdualism.org

Os cientistas, animados com o propósito de provar que eles próprios são sem propósito, constitui um tema interessante para estudo.
A. Whitehead

Na semana passada assisti ao maior, mais festivo e divertido jantar. Um convidado manifestou interesse em meu novo livro, então comecei a explicar que (1) os cientistas não encontraram consciência no cérebro, e que além disso (2) nossas experiências de cor, tato, som e todos os outros sentidos aparentemente não fazem parte do universo físico (como atualmente definido), e que além disso (3) ...

Isso já era demais para ele. Ele foi dominado pela descrença. 'Você tem certeza? Eles devem ter encontrado no cérebro. Claro que nossos sentidos podem ser explicados pela ciência. Claro …'

É raro não encontrar essa reação. Assim como alguns cristãos acreditam que a Igreja tem o Universo todo embrulhado em pequenos panos aconchegantes rotulados como "Verdade" - de modo que não há necessidade de pensar, mas apenas acreditar no Credo (o que "acreditar" pode significar). Para muitos, imagina-se que a ciência tenha explicado tudo. "Alma" tornou-se uma palavra sem referência, um fato que é embaraçoso pronunciar. No entanto, o senso comum se rebela quando lemos um respeitado psicólogo escrevendo:

A existência de algo chamado consciência é uma hipótese venerável; não é um dado, não diretamente observável [...]

Desculpe, mas o professor Hebb ficou completamente de cabeça para baixo. A Consciência é a única coisa que é diretamente observável. De fato, é a única coisa que não é uma hipótese. Todos os dados passam por isso.

Daí meu novo livro Does It Matter? O mundo insustentável dos materialistas (Floris, Edinburgh, 2005). Eu inspecionei as alegações da filosofia e da ciência materialista e achei o que elas estavam querendo. As realidades espirituais permanecem sem serem interessantes. Naturalmente, só posso dar uma olhada muito abreviada em algumas dessas questões aqui.

Qualia

A consciência está no cérebro? Agora, pode-se supor que os neurocientistas contemporâneos poderiam dizer onde a consciência pode ser encontrada, mas não, sua localização nunca foi descoberta. Nem a memória de longo prazo ou a memória tácita. (Isso é quase igualmente interessante, mas não posso discuti-lo aqui.) Além disso, ninguém explicou como a informação sensorial que acompanha os caminhos neurais no cérebro é transformada em experiência consciente. Esse é o problema do qualia, uma das questões mais discutidas na filosofia contemporânea.

O que é qualia? Ela é a "sensação" e "aparência" das cores, a "sensação" e o "sabor" dos sons musicais em toda a sua variedade infinita, a textura dos objetos, os ricos (mas literalmente indescritíveis) gostos e odores das coisas. Qualia é o material sensorial bruto da experiência consciente, é o que sentimos e como o sentimos. Embora seja o modo como todas as nossas experiências chegam até nós, elas são incomunicáveis ​​para os outros, porque não temos meios de transmitir essas "sensações", essas "experiências", diretamente de um cérebro para outro. Falar sobre eles é bastante inadequado. Por exemplo, como você descreve o verde dourado de uma maçã de James Grieve 2, ou seu sabor individual? Você pode recorrer apenas a experiências semelhantes de outras pessoas, desde que elas o tenham. Se não tivermos a experiência de uma determinada qualia, então não podemos imaginá-la. Até mesmo Wittgenstein reconhece isso e diz o mesmo (a propósito do cheiro do café).

Agora, como isso acontece? Por que processo desconhecido, a mensagem eletroquímica transmitindo “Sinta isso como VERMELHO!” Faz com que qualquer entidade desconhecida que produz esse tipo de sentimento realmente a perceba? O QUE faz com o QUE, de modo a fazer O QUE experimentar a sensação de vermelho? A resposta é que nenhum desses O QUEs pode ser encontrado no cérebro, e todo o negócio de experimentar um quale é completamente misterioso. Como de fato é todo o negócio de experimentar qualquer coisa. A experiência em si é o grande mistério.

Existe, portanto, um abismo absoluto entre a mensagem eletroquímica e a experiência subjetiva de VERMELHO (ou FRESCO ou MOLHADO ou IRRITADO ou qualquer outra sensação). O lado experiencial do processo é completamente invisível para o cientista. É como se, uma vez que algo passe do mundo do processo físico para o limiar da consciência, os instrumentos físicos se calem, deixem de funcionar.

Agora, existem cerca de dez sentidos diferentes (visão, audição, paladar, olfato, tato; calor e frio, dor, propriocepção, sensação muscular ...) Cada um é completamente diferente em sua afinidade de qualquer um dos outros. Ainda o fisicos processos cerebrais no cérebro são todos de tipo 4 - assim, (1) não podemos apenas dizer como qualquer sensação surge na consciência, mas temos o problema adicional: (2) como você obtém dez tipos diferentes de sensação, cada diferente do giz do queijo, de um mesmo tipo de processo físico? E, de fato, eles são mais diferentes que isso; Eles são tão diferentes quanto o sabor do queijo do guincho de giz em um quadro negro. Este é o famoso Problema Difícil de David Chalmers, muito discutido na filosofia contemporânea.

 Agora, tudo isso é muito encorajador. Os materialistas vão colocar a cabeça nas mãos e chorar - ou melhor, eles vão chamar uma equipe de filósofos e levá-los a mudar os postes. Mas isso nos dá esperança. Talvez a consciência não seja um produto material, não em último caso sujeito ao cérebro, mas uma realidade espiritual.

Onde está a Consciência?

Como os materialistas afirmam que, fundamentalmente, não há nada além de matéria, eles têm que alegar que a consciência não estava lá. O começo do universo. Eles são obrigados a afirmar que ela evoluiu - da inconsciência absoluta - como um buraco no chão magicamente se transformando em uma sinfonia, como algo emergindo de sua própria negação.

Aqui teremos que perguntar o que é "matéria". O homem comum costuma dizer "saber por experiência o que é matéria". O Dr. Johnson pensou que poderia mostrar o que é, chutando uma pedra. Na investigação, no entanto, descobrimos que esse "conhecimento" nada mais é do que como seus sentidos lhe apresentam o mundo exterior, ou seja, como duro, doloroso, resistente, colorido, barulhento, frio etc. A matéria é meramente o modo como a mente percebe seus arredores, isto é, matéria é aparência. É exatamente assim que a filosofia indiana sempre a viu. O físico quântico Nick Herbert diz que somos como o rei Midas. Tudo o que ele tocou se transformou em ouro - incluindo sua comida, então ele teria morrido de fome se o deus Dionísio não tivesse pena dele. Herbert diz que "não podemos experimentar diretamente a verdadeira textura da realidade, porque tudo o que tocamos se transforma em matéria" .5 (Midas teria morrido de ouro. Nós morremos de matéria.)

O físico, por outro lado, não afirma "saber o que importa". Seja o que for, no entanto, ele fornece cálculos e leituras de ponteiros, isto é, aquele aspecto da aparência que pode ser quantificado, reduzido a medições e, portanto, manipulado.

 A 'verdadeira natureza' da matéria está ausente de ambos os pontos de vista, nem é possível averiguar qual poderia ser a "verdadeira natureza". Para o filósofo Berkeley, existem apenas dois elementos fundamentais na natureza: percipere (o que percebe e não pode, por sua natureza, ser percebido) e percipi (o que é percebido e não pode, por sua natureza, perceber). Podemos denominar esses gêmeos reversos ou polares, pois cada um é o oposto complementar do outro. Contemplando esses "gêmeos", lembre-se do símbolo do Yin-Yang.

 Os materialistas (que podem ser considerados surpreendentes considerando sua antipatia por Berkeley) concordam inteiramente com essa definição. Isto é, eles definem a matéria inconsciente (para eles, o único tipo de substância que existe) como "aquilo que é percebido e não pode por sua natureza perceber".

 Eles negam a realidade da consciência e acreditam que a matéria inconsciente é tudo o que existe: eles buscam derivar o primeiro do segundo. Enfrentam assim o desafio: "Como as moléculas inconscientes começam a ter uma experiência consciente?" Há relatos inumeráveis ​​de reducionistas explicando detalhadamente como isso é feito - e nenhum deles faz sentido.

 Para dar um exemplo típico, Nicholas Humphrey 6 assume que (no início da história evolutiva) os animais são completamente inconscientes. Eles evoluem a consciência. Como? À medida que evoluem, seus sentidos respondem com sensibilidade crescente aos estímulos (pois a sensibilidade promove a sobrevivência). Essa sensibilidade (ainda completamente mecânica e inconsciente) aumenta até que (o prestígio!) O animal se torna consciente dessa sensibilidade. Humphrey triunfante provou seu caso?

 Certamente não. É baseado na mais descarada das falácias. Primeiro de tudo, Humphrey usa a palavra "sensação" para significar "uma reação delicada, mas mecânica e inconsciente". Ele não pode afirmar que esses processos iniciais são conscientes, porque ele tem que começar com o inconsciente para mostrar como a consciência emergiu. a partir dele. Então ele finge que a sensação 1 (significando "reage mas não sente") se transforma espontaneamente em sensação 2 (significando "reage e sente"). Este é o material Marvo-o-mago. Ele está introduzindo consciência em sua conta sub-repticiamente, à maneira de um mágico que esconde um coelho branco na manga. Todo relato de consciência emergente do nada propõe o mesmo truque de magia. Qualquer um que leve isso a sério está profundamente confuso.

A consciência, portanto, permanece um mistério. (1) Não se pode ver como os estímulos neuroquímicos se transformam em experiência consciente. (2) Não pode ser entendido como eles fazem isso. (3) Não se pode explicar como a experiência consciente pode evoluir a partir de matéria consciente. (4) Os elementos da experiência consciente, por ex. os qualia esmagadoramente reais parecem além da explicação científica. (5) A consciência não pode ser encontrada no cérebro.

 Agora, isso ocorre depois de um século ou mais de pesquisas e argumentos de materialistas, durante os quais 70 anos ou mais departamentos de psicologia proibiram qualquer menção à consciência. Eu sugeriria que parece cada vez menos provável que se possa explicar a consciência pelos princípios materialistas. Temos a liberdade de pensar que (1) a consciência não se desenvolveu a partir da matéria inconsciente, caso em que (2) deve ser pelo menos tão fundamental quanto a matéria - que (3) não é um produto da atividade cerebral, que (4) ) não é material (de acordo com as definições atuais), (5) que não está no cérebro. Tudo isso não é 100% comprovado (o que é?), Mas acho que a probabilidade está do nosso lado. O cérebro não é a mente, afinal de contas - é o computador que a mente usa.

A Mente Pode Produzir Matéria?

Se, no entanto, é inconcebível que a matéria produza mente, pode a mente produzir matéria? Sim, pela simples razão de que a mente tem imaginação e a matéria não tem nenhuma. Certamente isso é muito mais pensável, como mostra a evidência de sonhos, alucinações como a síndrome de Charles Bonnet, fenômenos com placebo etc. A mente humana pode produzir simulacros convincentes da realidade, e devemos lembrar que, na filosofia indiana, a divisão metafísica fundamental não é traçada entre "mente" e "matéria", mas entre "consciência" e "aparência". Nós não criamos a Matéria, é claro, mas é perfeitamente pensável que a Mente Universal o tenha feito no início do nosso Universo.

 Onde está Localizada a Consciência ?

Agora, se a consciência não está no cérebro, onde está? Não é de surpreender que não saibamos. Eu forneço, no entanto, quatro especulações contemporâneas sobre seu possível paradeiro (os de JE. Charon, John R. Smythies, Ervin Laszlo e Peter Marcer).

Os opositores, é claro, contestarão amargamente todas essas idéias. Frank Jackson, por exemplo, escreve:

[Por que eu] não segui o exemplo daqueles que localizam objetos mentais em um espaço privado especial? Para mim, isso é como dizer "Eu acho misterioso que objetos mentais estejam no espaço normal, então eu os localizarei em um espaço misterioso" .7

É absurdo, por parte de Jackson, afirmar que objetos mentais estão no espaço normal. É evidente que eles não estão no espaço normal ou no espaço. Tampouco o espaço mental é mais "misterioso" do que o chamado espaço "normal", que, como Kant mostrou há dois séculos, é uma categoria de nossas percepções e compreensão, e não pode ser mostrado como algo a mais.

Minha conclusão provisória é: a consciência é real, não é material e talvez seja um elemento fundamental do Universo.

O Universo não apenas contém consciência, mas também foi criado pela consciência? Pegue o cálculo de Roger Penrose. O Universo é construído a partir de todas as forças da física. Se é para produzir um universo que contém a vida de nossa espécie, então - no ponto de sua criação - todas as forças da física precisam ser precisamente ajustadas. Tão bem feito é o ajuste que as chances contra um universo com vida nele são enormes. Pois essas probabilidades são um contra um número tão grande que, tomando todas as partículas elementares existentes no Universo, e escrevendo um dígito em cada partícula, não há número suficiente delas para escrever a figura completa.8 Eu entendo que isso faz o argumento para um criador inteligente bastante provável.

A maneira usual de evitar a conclusão evidente de que o Universo surgiu por meio do design inteligente é adotar a interpretação da Física Quântica dos Muitos Mundos. Essa interpretação é extremamente popular, mas sofre de vários problemas. Por exemplo, (1) nos diz que, toda vez que uma superposição quântica colapsa em realidade, todas as possibilidades alternativas acontecem - em diferentes universos. Mas os eventos estão acontecendo continuamente. Assim, o Universo está se dividindo em inúmeras cópias de si mesmo a cada instante. Isso vem acontecendo desde o momento da criação? Quantos universos esperamos acreditar? Esta hipótese não é um absurdo? Além disso (2), a Navalha de Occam declara que não se deve introduzir entidades adicionais além do mínimo necessário. Podemos facilmente reescrever isso como "Não introduza Universos adicionais além do mínimo necessário". Além disso, cada Universo necessariamente contém muitas entidades adicionais. Pode-se levantar outras objeções, mas estas serão as mesmas para se continuar.

Evolução

Então há a questão da evolução da vida. Quando comecei a pesquisar este livro, descobri, para meu espanto, que o neodarwinismo ortodoxo é simplesmente muito improvável. Neste ponto, fiquei um pouco alarmado. Pois aqui chegamos ao grande Shibboleth, o ponto onde a maioria das pessoas educadas pára de escutar. Devo, portanto, proferir dois avisos. Primeiro, é claro que o mundo tem quatro bilhões e meio de anos e seus habitantes não foram criados do nada por Iahweh em 4004 a.C.. Segundo, claro, a evolução ocorre. No entanto, (estimule qualquer blasfêmia contra a sabedoria convencional) é fácil ser convencido de que a evolução não é uma explicação completa.

Pois o neodarwinismo ortodoxo nega propósito: a evolução opera por puro acaso e causalidade irracional. Mas vamos ler Paul Davies em The New Scientist, 9. Ele menciona cálculos feitos por Seth Lloyd, do MIT: tratando o Universo como um computador, quantos "bits" poderia processar ao longo de sua duração conhecida? Sua resposta é 10 elevado a 120. Ele então calcula que o acidente puro não pode explicar "uma pequena proteína típica... composta de cerca de 100 aminoácidos de 20 variedades", já que apenas o número de combinações possíveis é de cerca de 10 elevado a 200. E isso é apenas uma pequena proteína. Existem milhares. Como todas elas evoluíram juntas, durante o mesmo período de tempo, contra tais enormes probabilidades?

Alguns anos atrás, o astrônomo Fred Hoyle tentou calcular a probabilidade de criar o conjunto de enzimas (existem cerca de 2.000) necessárias para a duplicação de uma simples bactéria. (Existem cerca de 100.000 enzimas em criaturas complexas como nós). Ele apresentou a figura de 1 em 10 elevado a 40.000 (= 1 seguido por 40.000 zeros). Hoyle diz que isso se compara à probabilidade de que "um tornado varrendo um ferro-velho possa montar um Boeing 747 a partir da sucata".10 Estamos novamente lidando com números que excedem em muitas magnitudes o número total de partículas fundamentais em todo Universo observável. . Certamente, deve haver algum outro processo além do acaso para conduzir os processos da vida.

Em que consistiria essa alternativa intencional? Deve-se admitir que essas lacunas na teoria evolucionista dão espaço para um deus ou deuses. Ou deveríamos, nas névoas de nossa ignorância atual, favorecer a ressonância mórfica de Rupert Sheldrake - seu "campo" hipotético controlando as formas de vida - ou procurar alguma nova teoria ainda não sonhada? No mínimo, o neodarwinismo contém um abismo no coração.

Um Ser Supremo?

Lê-se filósofos dizendo: "Não conheço nenhuma evidência de poder divino". Pelo contrário, há muitas evidências, a saber, a experiência dos místicos. , que relatam experiências muito semelhantes, não importa em que época eles possam viver, não importa a que religião eles pertencem, ou mesmo independentemente de qualquer fé religiosa. A experiência mística fornece uma garantia de que existe de fato uma inteligência divina porque - apesar das enormes diferenças de dogma e imaginação entre as diferentes religiões - existe um surpreendente acordo entre os místicos, ou seja, seus relatórios estão de acordo com as boas evidências.

O que devemos concluir? Se a consciência tivesse sido encontrada no cérebro - SE poderia ser colocada artificialmente - SE qualia fosse explicável fisicamente - ou mesmo parecesse ser parte do universo físico - SE o livre-arbítrio pudesse ser explicado (isto é, se a consciência não tivesse efeitos causais) - Se a criação do Universo poderia ser considerada um mero acaso - e se o neodarwinismo poderia explicar todos os problemas da vida - então seria mais difícil acreditar no espírito. Pelo contrário, no entanto, acredito que temos o melhor argumento, havendo muitas coisas que o materialismo é, por natureza, inadequado para explicar. As pessoas deveriam parar de levar o fisicalismo tão a sério. O peso da evidência favorece a realidade da alma e um universo deliberadamente criado.

O filósofo Jaegwon Kim escreve: "Não é óbvio como as almas imateriais nos ajudam a resolver nossos problemas" .11 Pelo contrário, é fácil ver como isso acalma a alma. problema mais sério de todos. Ele trás o propósito de volta ao universo e significa a volta à vida.

Referências

1 Donald Hebb, citado em Martin 1981, p172
2 Na "literatura" filosófica, é sempre a avó que eles falam. Vamos usar uma maçã, menos familiar!
3 Wittgenstein p 610.
4 Dawkins o diz  mais distintamente, citado por mim, p 65.
5 Herbert 1985, p.
6 Humphrey 2000.
7 Citado por Smythies 1993, p 225.
8 Penrose, pág. 3424.
9 5 de março de 2005, pp 3437.
10 Hoyle 1996, pp 133,156.

Bibliografia

Charon, Jean Emile (1977) La Relativité Complexe, Albin Michel. 
Dawkins, Richard (1991) The Blind Watchmaker, Penguin. 
Green, Celia & Charles McCreery (1975) Apparitions, Hamish Hamilton. 
Hoyle, Fred & N.C.Wickramasinghe (1996) Our Place in the Cosmos, Orion. 
Humphrey, Nicholas (2000) ‘How to Solve the Mind-Body Problem’, J. of Consciousness Studies 7, 520, 98. 
Kim, Jaegwon (2006) Philosophy of Mind, 2nd ed., Westview. 
Laszlo, Ervin (1993) The Creative Cosmos, Floris. 
Martin, Graham Dunstan (1981) The Architecture of  Experience, Edinburgh U P. 
Penrose, Roger (1989) The Emperor’s New Mind, OUP. 
Smythies, John R. (1993) ‘The Impact of Contemporary Neuroscience …’ in Edmond Wright New Representationalisms, Ashgate. 
Wittgenstein, Ludwig (1967) Philosophical Investigations, Blackwell.

ENDEREÇO ELETRÔNICO COM O ARTIGO ORIGINAL EM INGLÊS:

http://www.newdualism.org/papers/G.D.Martin/end-materialism.htm

sexta-feira, 4 de maio de 2018

DECODIFICANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS - POR GUSTAVO DARÉ E VITAL CRUVINEL FERREIRA

 Resultado de imagem para O LIVRO DOS ESPÍRITOS
Fonte da imagem: https://www.youtube.com/watch?v=-YqAemqeWLQ 

DECODIFICANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

Gustavo Leopoldo Rodrigues Daré* e Vital Cruvinel Ferreira* 
* Membros da “Rede de Pesquisas Espíritas”. 
Autores do blog http://decodificando-livro-espiritos.blogspot.com.br/ 

RESUMO

Há grande discordância entre os espíritas brasileiros sobre qual foi a metodologia científica de Allan Kardec. A forma peculiar com que foi reconstruído O Livro dos Espíritos na sua segunda edição de 1860 oferece oportunidade impar de colher informações capazes de trazer luzes sobre esta temática conflituosa no Espiritismo Brasileiro. Através de métodos quantitativos e qualitativos de comparação de textos, identificamos um rico processo de reorganização do conhecimento, onde o conteúdo é preservado em detrimento da autoria textual. O método kardequiano apreendido neste trabalho oferece fundamentos que o aproxima das metodologias de análise de conteúdo e propõe uma solução pragmática para explicar a convivência da ciência com a filosofia na definição kardequiana de Espiritismo.

INTRODUÇÃO

Allan Kardec defendeu a tese do Espiritismo ser resultado da revelação dos Espíritos e do esforço científico e filosófico do homem. No prólogo de O Que é o Espiritismo sentencia “O Espiritismo é, ao mesmo tempo, ciência experimental e doutrina filosófica”, e finaliza “O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal” (1). Devido a grande especialização por que passou a Ciência nos últimos 150 anos, o conceito de algo que seja ao mesmo tempo Ciência e Filosofia é confuso e sem parâmetros de analogia no cotidiano contemporâneo.

Allan Kardec defendeu que a metodologia científica espírita deveria ser diferente da metodologia das Ciências Naturais de sua época: “As ciências vulgares se apóiam nas propriedades da matéria, que se pode experimentar e manipular à vontade; os fenômenos espíritas repousam na ação de inteligências que tem vontade própria e que nos provam a todo instante não se acharem subordinadas ao nosso capricho. As observações, portanto, não podem ser feitas da mesma maneira; requerem condições especiais e outro ponto de partida”(2). Durante o século XX tivemos grande avanço das ciências em direção as problemáticas do espírito humano, com a sistematização científica da antropologia, da sociologia e da psicologia. Será que nos dias atuais Kardec elaboraria a mesma assertiva? A metodologia kardequiana guarda alguma relação com as metodologias das ciências humanas? Estas afirmativas de Kardec ainda geram conflitos entre os espíritas atuais devido às formas diferentes com que se analisa a amplitude metodológica científica atual.

Allan Kardec ainda defendeu um outro complicador para a metodologia espírita: sua natureza divina. “Por sua natureza, a revelação espírita possui um duplo caráter: ela participa ao mesmo tempo da revelação divina e da revelação científica... Numa palavra, o que caracteriza a revelação espírita é que sua origem é divina, que a iniciativa pertence aos Espíritos e que a sua elaboração é o resultado do trabalho do homem” (3). Este argumento distancia-se ainda mais das concepções dominantes contemporâneas de Ciência independente do fenômeno místico e divino. Ao mesmo tempo, forneceu argumentos para os embates entre os espíritas defensores da natureza divina da revelação espírita e os defensores de sua natureza humano-científica.

No Brasil não houve, até hoje, nenhuma ampla e conclusiva discussão sobre a epistemologia kardequiana, nem vivência de sua prática metodológica. A pequena tradição científica brasileira se reflete no movimento espírita, com pequenas e isoladas iniciativas científicas ao longo destes 150 anos. Esta pequena vivência científica favoreceu as características do Espiritismo brasileiro atual, no qual a atividade científica não está organizada e seus princípios práticos e teóricos não são consensuais.

Descrever a metodologia científica kardequiana é questão conflituosa dentro do pensamento espírita contemporâneo. Mesmo nos textos mais detalhados (4), as descrições do próprio Kardec são imprecisas para os padrões atuais de rigor científico, favorecendo discussões intermináveis.

A ausência de anotações do processo de elaboração dos livros kardequianos e de seus dados coletados, dificulta compreender o modus operantis da pesquisa de Kardec. Entre os materiais acessíveis na atualidade, O Livro dos Espíritos destaca-se por suas peculiaridades: representa a obra fundamental do pensamento espírita, é o primeiro livro de Kardec e sofreu mudanças estruturais importantes entre a primeira edição de 1857 e a segunda edição de 1860. A nossa hipótese de trabalho foi de que através da identificação detalhada das diferenças entre estas duas edições, e a compreensão de como se operou esta mudança, será possível inferir a metodologia de construção do conhecimento filosófico-científico kardequiano.

OBJETIVOS

Analisar as diferenças estruturais e conceituais entre a primeira e a segunda edição d’O Livro dos Espíritos.

Descrever o método kardequiano de construção da segunda edição d’O Livro dos Espíritos.

METODOLOGIA

Material: 

Foram utilizados os seguintes livros: 

1) Primeira edição d’O Livro dos Espíritos (1857): original em francês disponível na internet e tradução para o português de Canuto Abreu (1957) e de Wladymir Sanchez (primeira parte “Doutrina Espírita”, de 2004).

2) Segunda edição d’O Livro dos Espíritos (1860): original em francês disponível na internet e tradução para o português de Salvador Gentile, José Herculano Pires, Guillon Ribeiro e Evandro Noleto Bezerra.

3) Revistas Espíritas 1858, 1859, 1860: original em francês disponível na internet e tradução para o português de Evandro Noleto Bezerra.

Método: 

Foram utilizadas ferramentas quantitativas de análise de texto e inferências qualitativas na análise do conteúdo. Algumas análises foram feitas independentemente pelos dois autores e outras em parceira. O projeto de trabalho não se fundamentou em nenhum referencial teórico específico, apesar de relacionar-se com estratégias quantitativas de Análise de Conteúdo, e seu objeto de estudo aproximar-se dos Estudos do Jornalismo Comparado e da Análise Literária.

O trabalho foi dividido em duas frentes:

a) Mapeamento das edições:

Na primeira etapa foram localizados na segunda edição os textos da primeira edição. Este trabalho foi realizado através da leitura cuidadosa das obras, e de recursos computacionais (editor de texto OpenOffice para palavras-chave e aplicativos de comparação de textos Notepad++ e DiffMerge). Este mapeamento possui dois níveis. No Mapeamento Superficial foram identificadas as perguntas da primeira edição presentes ou ausentes na segunda edição. No momento seguinte, durante o Mapeamento em Profundidade, correlacionaram-se todos os componentes dos diálogos dos livros (perguntas, respostas, comentários e enunciados).

Na segunda etapa classificou-se a intensidade de semelhanças/diferença do conteúdo e da linguagem dos textos, inferindo-se os motivos e conseqüências destas semelhanças e diferenças para as formulações do conhecimento espírita.

b) Processo de Elaboração dos Novos Conhecimentos.

A inferência da hipótese explicativa do processo de elaboração de novos conhecimentos dentro do método kardequiano submeteu-se a duas etapas de trabalho. 
Na primeira etapa agruparam-se os conteúdos das duas edições, classificando-os como conteúdos novos ou redundantes.

Na segunda etapa buscou-se identificar os artigos nas Revistas Espíritas de 1857 a 1860 que se relacionam com os novos conteúdos inseridos na segunda edição. Analisou-se a forma como textos destes artigos foram transferidos para a segunda edição, e os efeitos destes novos textos nos conceitos emergentes da obra, inferindo-se os motivos das escolhas feitas por Allan Kardec.

(ATENÇÃO: para ver os gráficos e tabelas deste estudo, remetemos o leitor ao endereço eletrônico original deste artigo - http://www.assepe.org.br/artigos/leo_Decodificando_OLE.pdf )

RESULTADOS

Da leitura inicial destacam-se as diferenças de organização das duas edições (Tabela 1). Das 915 perguntas apresentadas na primeira edição, Allan Kardec enumerou 501 perguntas, seguidas de uma quantidade variável de perguntas e respostas associadas a comentários/enunciados kardequianos. Definimos cada um destes blocos enumerados como “diálogos”, e não como habitualmente encontramos na literatura espírita como perguntas. Observa-se que da primeira para a segunda edição diminui a média de 1,8 perguntas / diálogo para 1,2 perguntas / diálogos. Nesta mudança dificultou a diferenciação do leitor habitual entre diálogos e perguntas.

Na primeira edição o Livro Primeiro “Doutrina Espírita” apresentava uma organização peculiar de duas colunas. “A primeira coluna contém as perguntas formuladas e as respostas textuais. A segunda encerra o enunciado da doutrina sob forma fluente... Uma tem a vantagem de mostrar de certa sorte a feição das entrevistas espíritas; ou tra a de permitir uma leitura seqüente”(5). O Segundo e Terceiro Livro da primeira edição apresentam a mesma organização da segunda edição, diálogos seguidos ou não de comentários de Kardec.
 O Livro Primeiro “Doutrina Espírita” é dividido na segunda edição nos dois primeiros Livros “Causas Primeiras” e “Mundo Espiritual ou dos Espíritos”, enquanto o Livro Segundo “Leis Morais” e o Livro Terceiro “Esperanças e Consolações” não sofreram alterações megaestruturais, exceto pela transferência do capítulo “Perfeição Moral” do último livro para o Livro “Leis Morais” (figura 1). Grande parte do capítulo X “Manifestações dos Espíritos” foi retirado da segunda edição e transferido para O Livro dos Médiuns. Mesmo assim, é o Livro Segundo da segunda edição que mais cresceu percentualmente (Figura 1) 
 O mapeamento superficial demonstrou que a sequência dos diálogos foi preservada parcialmente, tendo sofrido maior remodelação entre os diálogos 200 e 600, pertencentes ao Livro Segundo da segunda edição (Figura 2). Estes dados, conjuntamente com as descritas no parágrafo anterior, indicam que o Livro Segundo foi o que sofreu maior alteração da primeira para a segunda edição. 
O mapeamento em profundidade demonstrou que houve rearranjo dentro dos diálogos. Mesmo no Livro Terceiro “Leis Morais”, um dos mais conservados na segunda edição, houve grande reorganização dos diálogos. Apresentamos como caso-exemplo o mapeamento do capítulo VI “Lei de Destruição do Terceiro Livro da segunda edição. O mapeamento superficial demonstrou que o capítulo seguiu a tendência geral da segunda edição, onde apesar do aumento de diálogos, houve diminuição do número de perguntas para cada diálogo (diminuição de 12 para 6 perguntas internas). O aumento total de perguntas também acompanhou da exclusão de perguntas (Tabela 2). 
O mapeamento em profundidade apresenta intensa reorganização interna das perguntas e respostas. Foram conservadas mais as perguntas (23=52%) do que as respostas (11=25%). As estratégias utilizadas foram: extração ou adição de frases/expressões, substituição de expressões particulares, mudanças textuais, fusão de 2 respostas em uma única, adição na resposta da segunda edição de parte do comentário da primeira edição.

Abaixo exemplificamos o método de análise com a pergunta 728 da segunda edição:

728: “A destruição é uma lei da Natureza?” (idêntica a 357a) 
“É preciso que tudo se destrua para renascer e se regenerar (idêntica a resposta 357a excluindo-se a palavra “sim”), pois isso a que chamais destruição não passa de uma transformação (frase nova não presente na primeira edição), que tem por fim a renovação e a melhoria dos seres vivos (parte do comentário do diálogo 357).

Uma leitura direta da segunda edição não percebe-se que estamos diante de um “cocha de retalhos”. O que aparente ser uma pergunta única e uma resposta única, desvenda-se como um trabalho de fusão orquestrado por Kardec. 
As perguntas da segunda edição foram classificadas segundo o grau de semelhança com a primeira e segunda edição, utilizando classificação apresentada abaixo: 

0 = idêntico: as questões em ambas as edições são muito parecidas em relação a forma de elaboração das idéias. Ainda que haja alguma mudança no texto, não se observa uma intencionalidade em alterar as idéias contidas nas respostas.

1 = praticamente idêntico: as questões são as mesmas em relação ao fundo enquanto que na forma apresentam significativas diferenças. Estas diferenças podem ser um comentário ou explicação adicional, ou uma melhor elaboração literária. Porém o entendimento deve ser o mesmo. 

2 = pouco diferente: sem alterar significativamente o centro das idéias principais, há um acréscimo ou decréscimo de conteúdo conciliável.

3 = diferente: há alguma alteração na idéia principal que merece uma investigação mais detalhada.

4 = muito diferente: há uma explícita alteração das idéias, mas ainda é possível conciliá-las em termos lógicos.

5 = contraditório: a diferença é tão grande que não existe a possibilidade lógica de conciliá-las. Somente uma pode ser verdadeira.

Este trabalho é sintetizado no gráfico de freqüências da Figura 3. Apesar das mudanças significativas terem sido pequenas (soma dos graus 3 a 5 igual a 5%), elas analisam apenas os diálogos presentes na primeira edição, não classificando os diálogos adicionados na segunda edição. Devido a rigorosidade de revisão de Kardec, muitos das mudanças discretas ocorridas em grau 2 (13%) podem ser explicados pela necessidade de manter a coerência com o que foi efetivamente modificado, demonstrando o efeito filosófico de um princípio novo sobre os princípios deduzidos.

No mapeamento da Revista Espírita com a segunda edição d’O Livro dos Espíritos foi possível encontrar alguns texto que foram transferidos. Na tabela 4 apresentamos alguns resultados parciais deste mapeamento. Como exemplo textual apresentamos na tabela 5 dois exemplos de diálogo com alteração parcial na idéia principal (grau 4) e uma com proposta contrária (grau 5). Em alguns casos identificamos uma transferência textual de uma entrevista, em outros casos encontramos uma transferência do conteúdo, porém não textual.

Na segunda edição torna-se comum um estilo incomum na primeira edição: os ensaios de autoria de Kardec. Estes ensaios desenvolvem uma finalidade pedagógica de explicar e sintetizar os conteúdos debatidos nos diálogos que antecedem (Tabela 6). 
DISCUSSÃO 

Ao organizar as perguntas e resposta de O Livro dos Espíritos em diálogos, Kardec sugere uma divisão temática, no qual cada diálogo é uma unidade indivisível. Ao posicionarmo-nos como leitores aprendizes, esta mensagem organizacional do autor nos sugere estudarmos os conceitos do livro a cada diálogo e não a cada pergunta. Os comentários de Kardec posicionados sempre ao final dos diálogos, e nunca entre perguntas de um mesmo diálogo, reforça a unidade de estudo do diálogo. 
Conforme sugere a nota explicativa ao final do prolegômenos da primeira edição, as perguntas e respostas do Livro Primeiro “Doutrina Espírita” são cópias idênticas dos dados coletados diretamente das entrevistas mediúnicas. Apesar de pequena ressalva presente nesta própria nota, podemos considerar que a primeira edição representa mais fielmente o trabalho de campo de Kardec. A ressalva emerge no texto “conquanto o assunto versado em cada coluna seja o mesmo, encerram às vezes uma e outra pensamentos especiais que, quando não resultam propriamente de perguntas diretas, não constituem menos o fruto das lições dadas pelos espíritos”(5). A demonstração de que foram feitas reorganizações internas em perguntas e respostas na segunda edição sugere que a intenção kardequiana de apresentar ao leitor as entrevistas textualmente desenvolvidas é colocada em segundo plano, prevalecendo-se o próposito de “conferir à distribuição das matérias uma ordem muito mais metódica” (6). O objetivo pedagógico sobrepujou o objetivo científico.

O mapeamento superficial demonstrou que a maior aquisição de conhecimentos desenvolvidos por Kardec entre as duas edições d’O Livro dos Espíritos foram referentes aos temas do Livro Segundo “Mundo Espiritual ou dos Espíritos”. Desta forma, o restante do livro está fortemente relacionado aos trabalhos desenvolvidos até 1857, antes da fundação da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Os trabalhos até 1857 são caracterizados pelo uso da cesta de bico e pelo pequeno número de médiuns, sendo os principais médiuns adolescentes (Srta. Japhet e Srtas Baudin): “Foi assim que mais de dez médiuns prestaram as sua assistência para esse trabalho” (7) e “esse ensinamento lhe foi ditado por intermediação de diversos médiuns escreventes e falantes (8).

Como demonstrado no mapeamento em profundidade do Capítulo VI “Lei de Destruição”, Kardec não respeita a integridade das entrevistas coletadas mediunicamente. A prioridade é a fidedignidade ao conteúdo e não ao texto. Algumas mudanças são pontuais, indicando que houve mudança de consenso, porém manteve-se o mesmo contexto. Estas mudanças tornam os diálogos da segunda edição um diálogo de muitas vozes. Não está claro porque Kardec transfere em algumas situações seu comentário pessoal da primeira edição para a posição de resposta para a segunda edição. Uma hipótese é que, apesar dos comentários na primeira edição serem de criação do autor, como mantinha a coerência com as idéias dos Espíritos, sua transferência para a posição de resposta pareceu-lhe ético, pois não feria o conteúdo apresentado pelos Espíritos. Este trabalho de fusão e reorganização desenvolvido por Kardec foi amplo e minucioso, tendo uma finalidade pedagógica de facilitar o aprendizado dos conceitos e princípios da doutrina desenvolvida no livro.

O mapeamento da Revista Espírita com a segunda edição d’O Livro dos Espíritos identifica algumas entrevistas que serviram de fundamentos para as mudanças conceituais. Estas entrevistas mediúnicas são produtos de nova forma de trabalho de Kardec, que agora preside a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e recebe mensagens mediúnicas de todos os continentes. A identificação dos Espíritos autores de algumas respostas d’O Livro dos Espíritos nos remete ao questionamento sobre a crença da revelação espírita proveniente apenas de Espíritos definitivamente Superiores. Muitos dos Espíritos comunicantes na Revista Espírita são atualmente desconhecidos de nós.

O domínio teórico de Kardec sobre o livro cresceu da primeira para a segunda edição e repercutiu na força de sua intervenção na organização das entrevistas mediúnicas originais, como demonstrado pelo mapeamento em profundidade e também pelo aparecimento de ensaios pessoais. O intervalo de 3 anos entre as duas edições, 1857 e 1860, corresponde a um período fecundo de transformações na vida de Kardec, transformando-se do pedagogo Rivail para Kardec, o líder de uma nova doutrina espiritualista.

CONCLUSÃO

Houve um processo dinâmico na construção do conhecimento espírita nos primeiros anos de Espiritismo, possivelmente auxiliado pela ampliação da rede de grupos mediúnicos colaboradores, que partiu de aproximadamente 10 médiuns em 1857 para chegar a grupos espíritas espalhados, pelo menos, em 43 cidades de 16 países diferentes de 3 continentes (9). Este dinamismo é verificado na reconstrução da segunda edição d’O Livro dos Espíritos, com acréscimo de novos conteúdos e modificação de algumas idéias, na maioria das vezes, fundamentadas em comunicações mediúnicas publicadas nas Revistas Espíritas.

As mudanças estruturais da segunda edição indicam maior preocupação pedagógica em detrimento da publicação dos diálogos originalmente colhidos mediunicamente. Kardec, com grande desenvoltura, modifica respostas e perguntas, mantendo-se fiel, na maioria das vezes, mas não sempre, a textualidade das frases da primeira edição. Os conteúdos da segunda edição são discursos de várias vozes produzidas entre 1855 e 1860, e as respostas são montagens de fontes diferentes. Isto comprova a preocupação metodológica centrada no conteúdo e não na textualidade ou na autoria. A racionalidade das idéias é a linha mestra que alinhava os textos extraídos isoladamente. Este agrupamento de textos de vários Espíritos transmitidos por diferentes médiuns é que fornece ao Livro dos Espíritos a autoria múltipla.

Todo O Livro dos Espíritos representa um diálogo sobre conhecimento. O diálogo como processo tipicamente filosófico. Porém, apesar de se conhecer a autoria do entrevistador, o entrevistado é resultado de um trabalho exaustivo de campo. Um trabalho de coleta de diferentes respostas, suas comparações e encadeamentos lógicos, seguindo a capacidade de apreensão do conhecimento por Kardec. A força de uma mensagem não estava presa ao número de vezes com que a informação era repetida, mas na coerência com que este conteúdo se entrelaçava aos demais conteúdos obtidos.

No epílogo da primeira edição d’O Livro dos Espíritos, Allan Kardec explica que “a ciência espírita compreende duas partes: uma experimental sobre as manifestações físicas; outra filosófica, resultante das manifestações inteligentes”(10). A ciência desenvolvida por Kardec é uma ciência de interpretação de textos elaborados durante o estado de transe mediúnico. Kardec não se dedicou ao estudo experimental das manifestações físicas. O objetivo kardequiano foi conhecer as idéias e apreender a sabedoria dos Espíritos desencarnados, selecionando, pela coerência com as demais comunicações e com os conhecimentos humanos de sua época, quais os conteúdos mais confiáveis. O processo de coleta de mensagens e sua análise de conteúdo comparada é a metodologia científica. O conteúdo emergente deste trabalho é uma filosofia construída metodologicamente dentro de uma estratégia científica socialmente compartilhada por diferentes vozes, dependentes da capacidade do pesquisador em conciliar aparentes contradições.

BIBLIOGRAFIA

(1) Allan Kardec, O Que é o Espiritismo (1959), prólogo, tradução de Wallace Leal V. Rodrigues, editora LAKE, 26° edição, 2001. 
(2) Allan Kardec, O Livro dos Espíritos (1857), Introdução, tópico VII, tradução de Evandro Noleto Bezerra, editora FEB, 1° edição, 2007. 
(3) Allan Kardec, A Gênese, Capítulo 1, item 13, tradução de Victor Tollendal Pacheco, editora LAKE, 17° edição, 1994. 
(4) Allan Kardec, O Evangelho Segundo o Espiritismo (1863), Introdução, tópico II, tradução de José Herculano Pires, editora LAKE, 60° edição, 2005. 
(5) Allan Kardec, O Primeiro Livro dos Espírito de Allan Kardec (1857), NOTA após o Prolegômenos, tradução de Canuto Abreu, Companhia Editora Ismael, 1957. 
(6) Allan Kardec, O Livro dos Espíritos (1857), Aviso Sobre Esta Nova Edição, tradução de Evandro Noleto Bezerra, editora FEB, 1° edição, 2007. 
(7) Allan Kardec, Obras Póstumas, Minha Primeira Iniciação no Espiritismo, tradução de Salvador Gentile, editora IDE, 1993. 
(8) Allan Kardec, O Primeiro Livro dos Espírito de Allan Kardec (1857), Nota XVII, tradução de Canuto Abreu, Companhia Editora Ismael, 1957. 
(9) Washington Luiz Nogueira Fernandes, Allan Kardec e os Mil Núcleos Espíritas de Todo o Mundo com os Quais se Correspondia em 1864, A Revista Espírita, Outubro 2004, ou no site www.consejoespirita.com/larevistaespirita/mil.htm. 
(10) Allan Kardec, O Primeiro Livro dos Espírito de Allan Kardec (1857), Epílogo, tradução de Canuto Abreu, Companhia Editora Ismael, 1957. 

ENDEREÇO ELETRÔNICO ORIGINAL DESTE ARTIGO:

http://www.assepe.org.br/artigos/leo_Decodificando_OLE.pdf

quinta-feira, 3 de maio de 2018

EM BUSCA DE UMA CIÊNCIA ESPÍRITA - POR GUSTAVO DARÉ

Resultado de imagem para ciência espírita
Fonte da imagem: http://espiritaespiritismoberg.blogspot.com.br/2015/02/a-ciencia-confirma-o-espiritismo.html

Em Busca de uma Ciência Espírita 
Gustavo Leopoldo Rodrigues Daré 


 “A Ciência Espírita compreende duas partes: uma experimental, sobre as manifestações físicas; outra filosófica, resultante das manifestações inteligentes” Allan Kardec (1, pág. 159) 

Como demonstrado na frase que inicia este capítulo, desde o seu primeiro livro espírita (1857), Allan Kardec defendeu a tese de que o Espiritismo é uma ciência. Em O Que é o Espiritismo (1859), Kardec volta a defender que o Espiritismo: “como ciência prática, tem a sua essência nas relações que se podem estabelecer com os Espíritos. Como filosofia, compreende todas as conseqüências morais decorrentes dessas relações” (2, pág. 10). Repete a mesma tese em O Livro dos Médiuns (1861): “depois da exposição do aspecto filosófico da Ciência Espírita em O Livro dos Espíritos, damos nesta obra a sua parte prática” (3, pág. 11). Em O Evangelho segundo o Espiritismo (1864) reafirma: “Espiritismo é a nova Ciência que vem revelar aos homens, por meio de provas irrecusáveis, a existência e a natureza do mundo espiritual e suas relações com o mundo material” (4, pág. 39). Com pequena variação no discurso, mantém o mesmo conceito em A Gênese (1868): “a revelação espírita possui um duplo caráter: ela participa ao mesmo tempo da revelação divina e da revelação científica” (5, pág. 15).

A opinião de que o Espiritismo é uma ciência é compartilhada por vários outros pensadores espíritas. Gabriel Delanne (1857-1924) afirma que “o Espiritismo... é uma ciência de experimentação, da qual emanam conseqüências morais e filosóficas” (6, pág. 201). Herculano Pires (1914-1979) introduz uma nova perspectiva para o problema, pois, apesar de defender o conceito científico do Espiritismo, afirma que a comprovação científica do Espiritismo foi, na prática, realizada pela Parapsicologia: “A Filosofia Espírita foi reconhecida pelo Instituto de França e figura no Dicionário Técnico da Filosofia, de Lalande. O reconhecimento da Ciência Espírita..., por causa da fragmentação destas em diversas especificações, somente agora, com o desenvolvimento da Parapsicologia, conseguiu o seu reconhecimento pelos grandes centros universitários do mundo” (7, pág. 9), e de forma categórica sentencia que “a Parapsicologia atual é simplesmente o elo de ligação da Ciência Acadêmica com a Ciência Espírita” (7, pág. 139). Interpretando estas poucas palavras de Herculano Pires, percebe-se que algo aconteceu com a Ciência Espírita, pois ela perdeu seu poder argumentativo com a sociedade científica.

Cientistas que se preocupam e estudam os fenômenos espirituais, fenômenos estes definidos como fenômenos humanos não limitados ao corpo físico, não identificam o Espiritismo como uma ciência. Podemos notar este distanciamento entre o Espiritismo e a Ciências nos textos de vários cientistas. Ernesto Bozzano (1862-1943), ao estudar a comunicação mediúnica entre vivos, apesar de utilizar termos semelhantes aos espíritas, não se identifica com a Ciência Espírita, nomeia-se membro de outra ciência, a Metapsíquica: “de tais manifestações especiais já se ocuparam diversos eminentes cultores das pesquisas metapsíquicas, e Alexandre Aksakoff tratou muito amplamente do assunto, na sua obra Animismo e Espiritismo” (8, pág.12). Karl Muller, em suas pesquisas sobre reencarnação contou com auxílio de espíritas, agradecendo a colaboração do brasileiro Dr. Inácio Ferreira (9, pág. 17). Conheceu o Espiritismo e a obra de Allan Kardec, a qual julgou com admiração: “Kardec tentou elucidar muitos detalhes. O seu livro é realmente melhor e mais compreensivo que os posteriores ensinos do Ocultismo, Rosacrusianismo, Teosofia de Madame Blavatsky, Antroposofia, etc” (9, pág. 40). Porém, Karl Muller não classificou o Espiritismo como uma Ciência, mas sim como “uma doutrina compreensiva da reencarnação publicada por Allan Kardec”, e completa, “Gabriel Delanne, inclinado fortemente para o lado científico,.. em 1924 publicou o livro Documentos para o Estudo da Reencarnação... o estudo mais importante daquela época” (9, pág. 29). Peter Bander, ao escrever sobre suas pesquisas com gravação de vozes de Espíritos, dedica o capítulo VII aos espíritas: Os Espíritas e as Vozes. Apesar de descrever apenas sua experiência com os espíritas ingleses, e em nenhum momento diferenciar Espiritismo de Espiritualismo, demonstra considerar o Espiritismo uma prática não-científica (10, capítulo VII).

Mesmo espíritas brasileiros, ao desenvolverem atividades científicas sobre fenômenos espirituais, aderem a Parapsicologia, indicando que apenas ser espírita não é suficiente para definir-se como um cientista. Herculano Pires, para discutir Ciência, não desenvolveu um curso de Ciência Espírita, pelo contrário, presidiu o Instituto Paulista de Parapsicologia e lecionou um curso de parapsicologia, do qual originou o livro Parapsicologia Hoje e Amanhã (11). Hernani Guimarães Andrade escreveu em 1960 “Novos Rumos à Experimentação Espirítica”, cujo título sugere uma nova proposta para a Ciência Espírita. Porém em seu próximo livro, de 1967, troca a ciência em estudo: “Parapsicologia Experimental”. Fundou um instituto de pesquisas, o qual, como Herculano Pires, não tem o adjetivo espírita em seu nome: Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas. Clóvis Nunes, no livro de divulgação de seu trabalho científico “Transcomunicação – comunicações tecnológicas com o mundo dos mortos”, define Hernani Guimarães como engenheiro, parapsicólogo e pesquisador brasileiro (12, pág. 133), não o definiu como espírita. O mesmo aconteceu na descrição das atividades de Ney Prieto Peres ao final do prefácio do livro de Hernani Guimarães, a longa lista de atividades desenvolvidas é finalizada com o adjetivo “parapsicólogo” (13, pág. XXI).

Este comportamento dos próprios espíritas do século XX, de se aproximarem da parapsicologia para poderem respirar Ciência, mantêm-se até hoje. Quando se referem ao Espiritismo, falam em ciência, porém para provarem cientificamente os conceitos espíritas, buscam os trabalhos da metapsíquica, escola científica abandonada após o desencarne de seu criador Charles Richet em 1935, ou na parapsicologia, desenvolvida a partir de 1940 pelos professores William McDougal e Joseph B. Rhine. Este recurso de não argumentação não caracteriza “fazer ciência”, mas apenas “dialogar com a ciência”. Pode ser sintetizado, simbolicamente, no subtítulo do livro de Admir Serrano: “A ciência e os fatos comprovam o que o Espiritismo ensina” (14).

Que tipo de ciência é o Espiritismo, se os próprios espíritas quando desejam ser cientistas, se definem cientistas pertencentes a outras ciências? Se o Espiritismo é ciência, por que apenas ser espírita é insuficiente para tornar-se cientista? Se o Espiritismo é ciência, por que para comprovar que os conceitos espíritas são cientificamente verdadeiros os próprios espíritas se fundamentam em outras ciências? As respostas para estas perguntas percorrem todos os capítulos deste. Neste capítulo buscarei identificar uma Ciência Espírita possível para nós, espíritas brasileiros. Defino como Ciência Espírita toda atividade científica desenvolvida em continuidade aos trabalhos de Kardec. Toda ciência que ignora as conclusões de Kardec, que volta ao começo dos problemas, que reconceitua todos os termos, tornando-se de difícil compreensão para os espíritas, não será definido como ciência espírita somente porque estuda os mesmos fenômenos espirituais. Defendo que a Ciência Espírita está hibernando, e poderá morrer por inanição, porém há sinais vindos de vários pontos do Brasil, de que o momento é propício a reversão desta tendência.

Primeiramente tentaremos definir o que é Ciência. 

1. Uma Definição Histórica de Ciência(a)

Tudo o que o homem faz, acredita, conhece e pensa, sofre interferência das idéias. Através de diferentes formas o Homem adquire conhecimento: senso comum, científico, teológico/religioso, filosófico e artístico/estético. Toda produção de conhecimento é resultado das condições materiais da vida humana em um dado momento histórico (15, pág. 12-13).

Atualmente, a Ciência é aparentemente conhecida de qualquer pessoa, estando associada à tecnologia e à experimentação. No entanto, isto não é uma marca comum da ciência na história, nem é a única marca da ciência nos dias de hoje (15, pág. 427). Uma marca fundamental da ciência nos diferentes momentos da história é a tentativa de explicar racionalmente a natureza (15, pág. 13), descobrindo as leis que regem os fenômenos. A explicação racional elimina o mistério, revelando, ao mesmo tempo, aquilo que se sabe e aquilo que não se sabe, permitindo interferir naquilo que se conhece. O que é considerada ciência e explicação racional sofreu mudanças ao longo do tempo.

No início, ciência e filosofia eram uma coisa só, indistintas e impregnadas de misticismo(c), onde a crença era o caminho para a construção do saber. Caminhou, na Grécia Antiga, para um momento de ênfase na racionalidade. A Idade Média na Europa Ocidental representa um momento de retorno à fé, onde a autoridade de certos pensadores e a concordância com as afirmações religiosas eram os critérios maiores de verdade. No Renascimento ocorre uma nova valorização da racionalidade. Inicia-se um novo confronto dentro da Ciência, que permanece até os nossos dias: a disputa entre a observação/sentidos e a razão pelo reconhecimento de caminho mais adequado para se alcançar a verdade. A ciência passa a ocupar um lugar próprio e distinto da filosofia.

A ciência é uma atividade metódica (15, pág. 14). O método científico(b) não é único nem o mesmo ao longo do tempo. A observação e a experimentação, por exemplo, passaram a serem consideradas somente a partir de Galileu Galilei (1564-1642). A contraposição sentido-razão gera duas lógicas que fundamentarão a atividade científica: o indutivo e o dedutivo. Francis Bacon (1561-1626) elaborou as bases teóricas do método indutivo. Com a convicção de que o conhecimento humano só é possível através da mediação dos sentidos (Empirismo), defendeu que apenas após a observação repetidas vezes de fatos semelhantes poder-se-ia extrair explicações científicas. René Descartes (1596-1650) contestou o método empirista, restaurando o papel da razão e da reflexão. Defendeu o poder humano de ter idéias a priori / idéias inatas, ou seja, de idéias prescindidas do contato direto com o real através dos sentidos. Desta forma, recuperou o método dedutivo, onde, através da razão, descobrem-se princípios gerais sobre a realidade, os quais serão confirmados mediante o conhecimento de fatos particulares (racionalismo). Immanuel Kant (1724-1804) propôs uma aproximação dos dois métodos. Cético quanto a possibilidade de conhecimento do real, defendeu que a ciência se limitasse à observação dos comportamentos e das relações da natureza, ou seja, se limitasse ao fenômeno (17, pág. 13-15).

No início da Revolução Industrial, século XVIII, a ciência não era necessária ao desenvolvimento técnico. À medida que o capitalismo avança, porém, geram-se problemas e, cada vez mais, a ciência é necessária para respondê-los. No século XVIII os efeitos da ciência sobre a vida e o pensamento são libertadores, aliada a todas as forças do progresso. No final do século XVIII são fundadas as primeiras sociedades científicas gerais na Inglaterra. No início do século XIX, contemporâneos a Kardec, a maioria dos cientistas era ou amadora ou treinada como aprendiz. Com o crescente volume de conhecimento produzido, surgem as sociedades científicas especializadas. O professor universitário começa a assumir a função de cientista, com crescente profissionalização da atividade científica devido ao volume e prestígio do trabalho científico. Ao longo do século XIX, a Ciência foi perdendo sua independência, e no final do século, os conhecimentos científicos passaram a desenvolvidos para criar novas indústrias, e seus efeitos sociais tornam-se, paulatinamente, ambíguos e incertos (15, pág. 291-294).

No século XIX começa a individualização das ciências sociais e sua independência metodológica das Ciências Naturais. Instaura-se o “problema político”, tendo de um lado o Marxismo de Karl Marx (1818-1883), e do outro o Positivismo de Auguste Comte (1798-1857). Marx, empirista e dialético(d), mantém o concreto real como base do conhecimento, este real é objetivo e contraditório. Marx abdica do indivíduo e dos pequenos grupos como objeto de análise, embora acredite na sua força como membros de uma classe social. O Positivismo de Comte, ao distanciar-se das questões metafísicas, concebe o fato como autônomo e verdadeiro, o real é objetivo e não-problemático, e, como Marx, acabou se descuidando do sujeito e apegando-se a quantidade (17, pág. 15-17).

2. O método científico idealizado e realizado por Allan Kardec

A melhor descrição de Kardec sobre a metodologia(b) que utilizou e que considerou científica, encontramos no item 2 da Introdução d’O Evangelho Segundo o Espiritismo (4).

Descreve o mundo espiritual habitado por sociedades de Espíritos semelhantes as dos reencarnados, com diversidade de opiniões e de conhecimento: “Sabe-se que os Espíritos, em conseqüência das suas diferenças de capacidade, estão longe de possuírem individualmente toda a verdade. As revelações que alguém possa obter são de caráter individual, sem autenticidade, e devem ser consideradas como opiniões pessoais deste ou daquele Espírito, sendo imprudência aceitá-las e propagá-las levianamente como verdades absolutas.”

Defende a razão como ferramenta para alcançar a verdade, porém, submete o racionalismo e o método dedutivo a observação dos fatos: “O primeiro controle é, sem contradita, o da razão, ao qual é necessário submeter, sem exceção, tudo o que vem dos Espíritos. Toda teoria em contradição manifesta com o bom senso, com uma lógica rigorosa, com os dados positivos que possuímos, por mais respeitável que seja o nome que a assine, deve ser rejeitada. Mas esse controle é incompleto para muitos casos, em virtude da insuficiência de conhecimentos de certas pessoas, e da tendência de muitos, de tomarem seu próprio juízo por único árbitro da verdade”. 

Defende a necessidade da repetição de observações semelhantes para se alcançar a verdade, de forma similar ao método indutivo: “A concordância no ensino dos Espíritos é, portanto, o seu melhor controle, mas é ainda necessário que ela se verifique em certas condições. A menos segura de todas é quando um médium interroga por si mesmo numerosos Espíritos sobre uma questão duvidosa. Não há garantia suficiente, da mesma maneira, na concordância que se possa obter pelos médiuns de um mesmo centro, porque eles podem sofrer a mesma influência. A única garantia segura do ensino dos Espíritos está na concordância das revelações feitas espontaneamente, através de um grande número de médiuns, estranhos uns aos outros, e em diversos lugares. A experiência prova que, quando um novo princípio deve ser revelado, ele é ensinado espontaneamente, ao mesmo tempo, em diferentes lugares, e de maneira idêntica, senão na forma, pelo menos quanto ao fundo. Nossa opinião não é mais do que uma opinião pessoal, que pode ser justa ou falsa, porque não somos mais infalíveis do que os outros. E não é porque um princípio foi ensinado que o consideramos verdadeiro, mas porque ele recebeu a sanção da concordância”. Para realizar este trabalho foi necessário criar uma rede de parceria com vários centros espíritas, o quais enviam-lhe textos mediúnicos. Kardec consegue este intento em 1863, quando afirma que “na nossa posição, recebendo as comunicações de cerca de mil centros espíritas sérios, espalhados pelos mais diversos pontos do globo, estamos em condições de ver quais os princípios sobre que essa concordância se estabelece” (4, pág. 19). Começou a construir esta rede em 1857, convidando o leitor a enviar-lhe comunicações (1, pág. 159).

Quando Kardec defende a concordância no fundo, e não na forma, ele nos remete à hermenêutica. “A hermenêutica é considerada a disciplina básica que se ocupa da arte de compreender textos. Sua função central se deve à capacidade de colocar-se no lugar do outro, que é o ‘diferente de mim’ no presente, mas com o qual eu formo a humanidade” (18, pág. 84).

Kardec afirma reiteradas vezes que “a revelação espírita possui um duplo caráter: ela participa ao mesmo tempo da revelação divina e da revelação científica” (5, pág. 15). O caráter científico da Doutrina Espírita foi realizado pelo próprio Kardec, e não pelos Espíritos. Poucos espíritas os procedimentos científicos do trabalho kardequiano, do qual algumas inferências podemos extrair ao compararmos a primeira e a segunda edição d’O Livro dos Espíritos (tabela 1). 


   
a: Kardec transferiu o conteúdo do Capítulo X do Livro Primeiro da 1a edição d’O Livro dos Espíritos para O Livro dos Médiuns, publicado em 1861, um ano após o lançamento da 2a edição d’O Livro dos Espíritos. 
b: Em negrito destacamos que na primeira edição Kardec não utilizou a adjetivação santo aos nomes dos Espíritos. A lista de colabores é diferente: temos o espírito da Verdade, Platão e Santo Agostinho apenas na 2a edição, e Hahnemann e Napoleão apenas na 1a edição. 
c: Kardec une perguntas e fornece uma única resposta e uma única pergunta em várias ocasiões na segunda edição. O número de perguntas de fato realizadas por Kardec para elaboração da 2a edição é muito maior do que a numeração indicada no livro. 
d: Kardec transfere o conteúdo do seu comentário para a resposta dos Espíritos. 
e: na primeira edição há contradição nas respostas às duas perguntas de número 108, enquanto a primeira afirma que o Espírito tem consciência imediata ao deixar o corpo, a segunda afirma que “a alma necessita de algum tempo para se reconhecer”. Na 2a edição, Kardec faz uma fusão das duas respostas, priorizando a resposta que julgou mais adequada. 
f: Em O Que é o Espiritismo, Kardec apresenta outra definição de Espírito e Alma: “alma é um ser simples; o Espírito um ser duplo e o homem um ser tríplice... alma para designar o princípio inteligente e... Espírito para o ser semimaterial formado por aquela e o corpo fluídico”. (2, pág. 96) 
g: na 2a edição Kardec elabora o capítulo XI, Os Três Reinos, que não existia na 1a edição, em sincronia com o impacto intelectual que causou Sobre a Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural, de Charles Darwin, em 1859, um ano antes da segunda edição d’O Livro dos Espíritos. 
Comparando os conceitos e modelos apresentados na 1a edição com a 2a edição, percebemos que na segunda edição os modelos explicativos para os fenômenos, sejam espirituais ou físicos, são mais dialéticos e evolucionistas. Esta mudança se deve não apenas ao maior número de perguntas, mas também à mudança no enfoque dos problemas levantados por Kardec, e possivelmente, aos critérios de seleção das respostas. Ocorre fusão de respostas, exclusão de outras, e modificação ou complementação de outras, demonstrando que, principalmente na segunda edição, muitas respostas são, na verdade, sínteses de um conjunto de respostas comparadas e analisadas. Esta metodologia indutivo-dedutiva com que Kardec manipula e interpreta as respostas dos Espíritos é o que ele definiu como Ciência Espírita. Alguns críticos, e muitos espíritas, não compreendendo isto, acreditam que Kardec defendeu a cientificidade do Espiritismo porque debatia temas da alçada da Ciência. Na verdade, esta atividade, que Sandra Stoll chamou corretamente de “dialogo com as ciências” (19, pág. 47), Kardec chamou de Filosofia Espírita.

O objeto de estudo científico de Kardec não é a mensuração material do fenômeno mediúnico, mas o estudo do conteúdo inteligente destas comunicações: “A Ciência Espírita compreende duas partes: uma experimental, sobre as manifestações físicas; outra filosófica, resultante das manifestações inteligentes” (1, pág. 159). Seu método “é fundamentado no diálogo com os Espíritos” (20, pág. 2). Por isso, há a necessidade da concordância universal, por isso afirma que n’O Livro dos Espíritos desenvolveu “o aspecto filosófico da Doutrina Espírita” (3, pág. 11). Ao atacar a incapacidade das Ciências Naturais em estudar os fenômenos espíritas, não se refere a incapacidade destas realizarem as mensurações dos efeitos físicos das manifestações mediúnicas, mas a incapacidade de analisarem seus conteúdos intelectuais. Com esta crítica, Kardec se alinha à grande número de cientistas sociais, que posteriormente desenvolverão uma Ciência Social metodologicamente independente das Ciências Naturais. Portanto, Kardec deve ser estudado como um precursor das novas Ciências Sociais.

3. As Mudanças nas Ciências Sociais do Século XX

No século XX encontramos o pleno desenvolvimento da indústria científica. A íntima relação entre a ciência e a produção no capitalismo atual direciona o empreendimento científico, e diferentes ramos da ciência desenvolvem-se desigualmente, em função das possibilidades de aproveitamento econômico de seu produto. A divisão capitalista do trabalho se reflete na atividade científica, tornando-a fragmentada e hierarquizada. O cientista aborda parcelas progressivamente menores do real, perdendo a visão de totalidade e o controle do produto de seu trabalho. Uma concepção dominante atual considera a ciência, seu método e seu produto como neutro e objetivo. Uma visão alternativa critica e rompe com o capitalismo, considerando a atividade científica historicamente determinada e, portanto, ideologicamente comprometida (15, pág. 435-436).

A Ciência Moderna, com seus quatro séculos de desenvolvimento, não se mostrou capaz de exterminar as desigualdades sociais e os sofrimentos humanos. Na maioria das vezes tem funcionado como instrumento do poder, apesar de seus ideais de neutralidade e objetividade. A ciência está presa à contradição de ser uma produção do homem, e por isso, presa a grandeza e as misérias humanas (17, pág. 13).

As chamadas metodologias qualitativas na sociologia, que buscam uma explicação em profundidade, são exemplos de reação contra o paradigma dominante de análises quantitativas, que buscam uma descrição generalizante. Não há dúvidas de que as estruturas existem e devem ser conhecidas, mas é a ação humana e as interações sociais que constituem o motor da história, cabendo a cada um a metodologia apropriada. Desenvolvem uma crítica à aplicação dos paradigmas das Ciências Naturais aos estudos do Homem, semelhante a Kardec.

Apenas uma geração após Kardec, viveram pensadores que fundamentaram uma das teorias mais frutíferas das metodologias qualitativas na sociologia, o Interacionismo Simbólico. Surgiu na virada do século XIX com Cooley (1864-1929), Thomas (1863-1947) e Mead (1863-1931). Mead, por exemplo, enfatizou que o indivíduo age socialmente em relação a outras pessoas e interage socialmente consigo mesmo.

Herbert Blumer, através de seus escritos iniciados em 1937, sistematiza os pressupostos básicos da abordagem interacionista. O ser humano age com relação às coisas na base dos sentidos que elas têm para ele, a interação social que estabelece com seus companheiros são manipulados e modificados através de um processo interpretativo. A sociedade é composta de indivíduos e grupos em um processo interativo dinâmico. As situações são percebidas de forma seletiva, de acordo com as necessidades definidas a partir dos sentidos que as coisas têm para aquela unidade de ação. O meio circundante de qualquer pessoa consiste unicamente dos objetos que essa pessoa reconhece. A ação individual é uma construção e não um dado. O pesquisador deve “assumir o papel do outro” e ver o mundo através “dos olhos dos pesquisados” (17, pág. 25-35). Há um paralelo entre estes conceitos e o modo com que Kardec enfrentou as comunicações com os Espíritos. Não é por acaso que a entrevista é um dos métodos científicos utilizados por estes pesquisadores(e).

Na década de 1920, com fundamentos próximos ao interacionismo simbólico, porém assumidamente influenciados pelo pensamento marxista, nietzscheano e historicista, Max Scheler forja o termo Sociologia do Conhecimento. Analisa a construção social da realidade (21, pág. 14-16), e o conhecimento que dirige a conduta humana na vida diária, no cotidiano. Uma preocupação demonstrada por Kardec, ao notar que as opiniões são diferentes entre os Espíritos, foi a tentativa de se identificar as opiniões que demonstram elevação intelectual e moral, discriminando o conhecimentos compartilhado entre os Espíritos superiores e aqueles compartilhados pelo Espíritos inferiores.

Técnicas científicas, desconhecidas por Kardec, são desenvolvidas no século XX para analisar comunicações, sendo das mais importantes o conjunto de técnicas denominadas Análise de Conteúdo (22). Através de técnicas hermenêuticas controladas pela introdução dedutiva da inferência, busca-se compreender o que está escondido retido em qualquer mensagem. O primeiro nome de destaque é o de H. 

Lasswell, que fez análises de imprensa e de propaganda desde 1915. Nas décadas de 1940-1950, 25% das pesquisas pertenciam à investigação política, pois o Governo Americano exortou os analistas a desmascararem os jornais e periódicos suspeitos de propaganda subversiva, principalmente nazista e comunista. Em 1950-1960 ocorre a expansão das aplicações da técnica a disciplinas diversificadas, como a etnologia, história, psiquiatria, psicanálise, lingüística, sociologia, psicologia, ciência política e jornalismo. Ou seja, começa a abranger as ciências chamadas por Gadamer de “Ciências do Espírito” (18, pág. 84). De 1960 em diante surgem três fenômenos novos: o uso do ordenador (computador), interesse pelos estudos da comunicação não verbal e os trabalhos lingüísticos. Destes últimos surge uma nova divisão chamada atualmente Análise do Discurso.

Há uma crescente crítica, dentro do ambiente científico, à Ciência Moderna, construída nos séculos XVII – XIX. Boaventura defende a necessidade do surgimento de uma nova ciência, chamada de Ciência Pós-Moderna. “Estamos no fim de um ciclo de hegemonia de uma certa ordem científica. A distinção hierárquica entre conhecimento científico e conhecimento vulgar tenderá a desaparecer, assim como a total separação entre a natureza e o ser humano. A Ciência Moderna privilegia o como funciona das coisas em detrimento de qual o agente ou qual o fim das coisas. Um conhecimento baseado na formulação de leis tem a idéia de ordem e de estabilidade do mundo, a idéia de que o passado se repete no futuro. Hoje são muitos e fortes os sinais de que o modelo de racionalidade científica atravessa uma crise profunda e irreversível. Estamos em um período de revolução científica, que se iniciou com Einstein e a mecânica quântica e não se sabe ainda quando acabará. A importância destas novas teorias está na nova concepção da matéria e da natureza: em vez da eternidade, a história; em vez do mecanicismo, a interpenetração, a espontaneidade e a evolução; em vez da ordem, a desordem; em vez da necessidade, a criatividade e o acidente. A superação da separação ciências naturais / ciências sociais tende a revalorizar os estudos humanísticos. O mundo é comunicação e, por isso, a lógica existencial da ciência pós-moderna é promover a “situação comunicativa”. A ciência pós-moderna sabe que nenhuma forma de conhecimento é racional; só a configuração de todas elas é racional”. Apesar de seu entusiasmo, Boaventura confessa que “nenhum de nós pode neste momento visualizar projetos concretos de investigação que correspondam inteiramente ao paradigma emergente que aqui delineei” (23).

4. Uma Proposta para uma Ciência Espírita Possível

Precisamos efetivar uma prática científica espírita. Como ponto de partida sugiro reconstruirmos uma rede de centros espíritas que intercambeiem os dados coletados em reuniões mediúnicas. A análise científica destes textos, com os objetivos de identificar as idéias dos Espíritos de diferentes padrões evolutivos, exigirá o aprofundamento do conhecimento em Hermenêutica, em técnicas e teorias científicas qualitativas como a Análise de Conteúdo e a Sociologia do Conhecimento.

Se considerarmos que os Espíritos desencarnados se encontram e formam grupos afins no mundo espiritual, aceitarei que no mundo espiritual formam-se sociedades de Espíritos. Estas sociedades sofrem as mesmas leis dinâmicas típicas das sociedades humanas, pois estamos estudando o comportamento de Espíritos, igual ao objeto de estudo da sociologia e antropologia. Desta forma, os Espíritos compartilham conhecimentos, conceitos, crenças, ou seja, possuem conhecimentos socialmente produzidos, o que é o objeto da Sociologia do Conhecimento. Se a mente é um atributo do Espírito, a forma de se comunicar intelectualmente não deve variar muito entre reencarnados e desencarnados, ou seja, os desencarnados também desenvolvem representações sociais, também misturam em suas falas as idéias pessoais e as idéias do grupo, também são ideologicamente influenciados. Se desejo compreender quais idéias são semelhantes entre diferentes Espíritos, posso utilizar a mesma Análise do Discurso e a mesma Análise de Conteúdo, pois o modo de produção intelectual não mudou com a desencarnação. Poderemos com isso, assegurar, cientificamente a presença de uma idéia estranha, diferenciando informação mediúnica de informação anímica.

Não necessitamos que todos conheçam todas estas teorias, porém todos podem participar do processo, fornecendo textos mediúnicos coletados com critérios e seriedade. Ao mesmo tempo, todos os centros espíritas envolvidos devem participar dos debates sobre as conclusões extraídas da coletânea destes textos. A prática regular de debate franco das comunicações mediúnicas, e a discussão sobre a própria confiabilidade do método científico escolhido, podem ser explorados como uma ferramenta educacional capaz de desenvolver a cientificidade reflexiva e libertadora da consciência e do pensamento em cada casa espírita participante. Com a implantação de uma estratégia científica barata, explorando o que temos abundante no centro espírita, a mediunidade, poderemos dar um salto de qualidade intelectual, a qual espero repercuta no comportamento e no sentimento. Estaremos confirmando de que ser espírita é sinônimo de ser cientista ao firmar-se como uma Ciência Independente da industria científica, poderá recuperar um dos propósitos iniciais da Ciência Moderna, a libertação do Espírito. Podemos consolidar uma metodologia particular de fazer Ciência, com toda a rigorosidade metodológica, porém coerentes com nossa história, coerentes com nossos conceitos espíritas. Temos condições de apresentar à sociedade uma ciência nova, mais próxima dos postulados pós-modernos de integração dos diferentes métodos de conhecimento humano. Recuperemos as premissas kardequianas de que “o controle universal é uma garantia para a unidade futura do Espiritismo, e anulará todas as teorias contraditórias. É nele que, no futuro, se procurará o criterium da verdade. É ainda uma garantia contra as alterações que, em proveito próprio, pretendessem introduzir no Espiritismo as seitas que dele quisessem apoderar-se, acomodando-o à sua maneira. Por maior, mais bela e justa que seja uma idéia, é impossível que reúna, desde o princípio, todas as opiniões. Os conflitos que dela resultam são a conseqüência inevitável do movimento que se processa, e são mesmo necessários, para melhor fazer ressaltar a verdade. Não será pela opinião de um homem que se produzirá a união, mas pela unanimidade da voz dos Espíritos. Nem será tampouco um Espírito, vindo impor-se a quem quer que seja. É a universalidade dos Espíritos, comunicando-se sobre toda a Terra, por ordem de Deus. Este é o caráter essencial da doutrina espírita, nisto está a sua força e a sua autoridade” (4, pág. 19-22).

Notas: 
(a) Este tópico foi construído, principalmente, através da compilação de frases da Introdução, Posfácio e capítulo 15 da referência bibliográfica 15 e da Introdução da referência bibliográfica 17. 
(b) Podemos definir: 1) Método como o programa que regula previamente uma série de operações que se devem realizar, apontando erros evitáveis, em vista de um resultado determinado; 2) Técnica como o conjunto de processos de uma arte, a maneira, o jeito, a habilidade especial de executar ou fazer algo; 3) Metodologia como a arte de dirigir o espírito na investigação da verdade (16). 
(c) Misticismo: tendência em considerar a ação de forças espirituais ocultas na natureza, que se manifestam por vias outras que não as da experiência comum ou as da razão (16). 
(d) Dialética pode ser definida, filosoficamente, como teorias que aceitam que na realidade desenvolvem-se processos gerados por oposições que provisoriamente se resolvem, formando uma nova unidade (16). 
(e) Outros métodos científicos utilizados pelo Interacionismo Simbólico, além da entrevista: 1) Observação Participante, que originou dos trabalhos antropológicos de Malinowski e da Escola Sociológica de Chicago na década de 1920, onde o observador está em relação face a face com os observados, e, em participando com eles em seu ambiente natural de vida, coleta dados; 2) A História de Vida, primeira obra de 1927; 3) A História Oral, que tomou vigoroso impulso na década de 1960, nos Estados Unidos. 

Referências Bibliográficas 
1) Allan Kardec, O Primeiro Livro dos Espíritos de Allan Kardec, 1857, tradução de Canuto Abreu, Companhia Editora Ismael, São Paulo, 1957. 
2) Allan Kardec, O Que é o Espiritismo, 1859, Editora LAKE, 26° edição, São Paulo, 2001. 
3) Allan Kardec, O Livro dos Médiuns, 2° edição , 1862, Editora LAKE, 23° edição, São Paulo, 2004. 
4) Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, 1865, Editora LAKE, 60° edição, São Paulo, 2005. 
5) Allan Kardec, A Gênese, 1868, Editora LAKE, 17° edição, São Paulo, 1994. 
6) Gabriel Delanne, O Fenômeno Espírita, 1893, Editora FEB, 7° editora, Rio de Janeiro, 1998. 
7) José Herculano Pires, Ciência Espírita e suas Implicações Terapêuticas, 1979, Edições USE, 5° edição, São Paulo, 1995. 
8) Ernesto Bozzano, Comunicações Mediúnicas entre Vivos, Editora EDICEL, 4° edição, São Paulo, 1987. 
9) Karl E. Muller, Reencarnação Baseada em Fatos, 1970, Editora EDICEL, 4° edição, São Paulo, 1986. 
10) Peter Bander, Os Espíritos Comunicam-se por Gravadores, 1972, Editora EDICEL, 4° edição, São Paulo, 1985. 
11) José Herculano Pires, Parapsicologia Hoje e Amanhã, 1965, Editora EDICEL, 7° edição, São Paulo, 1982. 
12) Clóvis S. Nunes, Transcomunicação – Comunicações Tecnológicas com o Mundo dos “Mortos”, Editora EDICEL, 2° edição, São Paulo, 1990. 
13) Hernani Guimarães Andrade, Espírito, Perispírito e Alma, 1984, Editora Didier, 1° edição, Votuporanga, 2006. 
14) Admir Serrano, Morrer não é o Fim, Editora Petit, 1° edição, São Paulo, 2008. 
15) Maria Amália Andery e colaboradoras, Para Compreender a Ciência – Uma Perspectiva Histórica, 1988, Editora EDUC e Editora Garamond, 14° edição, São Paulo/Rio de Janeiro, 2004. 
16) Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Novo Aurélio Século XXI: O Dicionário da Língua Portuguesa, Editora Nova Fronteira, 3° edição, Rio de Janeiro, 1999. 
17) Teresa Maria Frota Haguette, Metodologias Qualitativas na Sociologia, 1987, Editora Vozes, 5° edição, Petrópolis,1997. 
18) Maria Cecília de Souza Minayo, Hermenêutica-Dialética como Caminho do Pensamento Social, In Caminhos do Pensamento – epistemologia e método, Maria Cecília de S. Minayo e Suely F. Deslandes (organizadoras), Editora FioCruz, 1° edição, Rio de Janeiro, 2002. 
19) Sandra Jacqueline Stoll, Espiritismo à Brasileira, Editora Edusp e Orion Editora, 1° edição, 2003. 
20) Instituto de Estudos Espíritas Wilson Ferreira de Mello, O Papel da Comunicação Socail no Método Científico de Allan Kardec, In Revista de Estudos Espíritas, número 14, páginas 1-4, Campinas, fevereiro de 2008. 
21) Peter L. Berger e Thomas Luckmann, A Construção Social da Realidade – Tratado de Sociologia do Conhecimento, 1985, 26° edição, Petrópolis, 1996. 
22) Laurence Bardin, Análise de Conteúdo, 1977, Edições 70, Portugal, 1995. 
23) Boaventura de Sousa Santos, Um Discurso sobre as Ciências na transição para uma Ciência Pós-moderna, revista Estudos Avançados, volume 2, número 2, páginas 46-71, Instituto de Estudos Avançados da USP, São Paulo, agosto de 1988.

ENDEREÇO ELETRÔNICO ORIGINAL DO ARTIGO:

http://www.assepe.org.br/artigos/Leo_Busca_Ciencia_Espirita.pdf